Vida Sexual, para onde ela foi?

agosto 8, 2009

casal_cama2Para que os dois estejam preparados para enfrentar as tentações, cada um deve cumprir com seu papel quanto ao ato conjugal, como convém aos filhos de Deus. (I Coríntios 7.2-5).
Busquem a realização mútua, vivam a plenitude dessa bênção sexual.

“Nem sempre o problema está no instrumento. Às vezes, é o músico que não tem habilidade”.
“Por melhor que seja o instrumento, se estiver desafinado, não será possível extrair dele um som agradável. Assim são as mulheres, podem ser bonitas, ter um corpo exuberante e ser inteligentes, porém, se, emocionalmente, estiverem desafinadas, o relacionamento sexual não será com qualidade”.
“Como podemos ter intimidade se não somos íntimos?”
“O ato conjugal entre um casal cristão que se ama é como o encontro das águas de um rio que andou quilômetros para achar o seu mar. A fonte do rio é o amor, e a água do mar, a realização”.

(Marlene Guerrato)

casal-na-camaO que você acha de um casal que se relaciona sexualmente uma vez no inverno, outra no verão, outra na primavera e outra no outono?

O casal deve dar o devido valor ao sexo no casamento. Não pode ser mais e nem menos. O sexo não é tudo no casamento, mas tudo pode ser afetado quando não há realização sexual. Uma pergunta muito comum entre os casais: quando é que o sexo acaba no casamento? Essa pergunta merece algumas respostas:

1) Quando os dois não procuram desenvolver a intimidade com base no que cada um tem de melhor para oferecer;

2) Quando a familiaridade que pode gerar o desrespeito leva o casal a viver uma vida de agressões sutis que esmaga a alma, minando assim o desejo para os encontros sexuais. Quem é que se realiza sexualmente no casamento, se a alma está sendo esmagada pelo outro?

3) Quando há falta de criatividade do casal. Isso tem a ver com lugar, posições, forma, ambiente etc. Tudo dentro dos limites do bom senso e das Escrituras Sagradas. A rotina rouba a glória do ato sexual. Tudo o que é feito do mesmo jeito todos os dias perde a graça;

4) Quando não se dá a importância devida à prática do ATO CONJUGAL com qualidade. Com razão, alguém disse: “Depois que um casal aprende a ‘fazer amor’, nunca mais se contenta em apenas fazer sexo”. O grande problema é que muitos estão fazendo apenas “sexo”, e não “amor”. Fazer amor é uma arte que deve ser aprendida e praticada para que os dois, a cada encontro, ganhem mais habilidade e se realizem mutuamente.

5) Quando há um problema de saúde e, por causa do preconceito, medo, machismo ou qualquer outro motivo, o cônjuge não procura ajuda médica, prefere ir empurrando com a “barriga” uma vida conjugal infeliz;

6) Deve o casal algumas vezes sair sozinho para namorar, ter mais privacidade para realizar até uma nova lua-de-mel. Você já ouviu alguém dizer: “Para mim não dá, jamais eu vou deixar os meus filhos com os outros”. Quantos maridos ou esposas estão hoje frustrados(as) sexualmente por esse simples motivo? O casal precisa ter de vez em quando um tempo que seja só para os dois, e mais ninguém. Isso pode fazer toda a diferença no relacionamento.

Finalmente, nunca deixe de incentivar sua relação “afetiva-sexual”. Faça investimentos que resultem no crescimento da qualidade de vida na área sexual. Não se contente em apenas “fazer sexo”. Busque “fazer amor”. Lembre-se que o amor é paciente, benigno, educado, justo, verdadeiro e grato. Fazer amor é deixar que, na hora da intimidade mais profunda entre um homem e sua mulher, vaze, em forma de palavras, gestos, toques, suspiros e gemidos, o gozo que só é possível no encontro dos que se amam. Quem nunca experimentou isso dentro do casamento ainda não sabe o que é “fazer amor”.

casal-alegre-na-camaDicas para os dois fazerem amor e não apenas sexo:

Dicas para os maridos
Se você acordou com a alma desejosa por um encontro sexual diferenciado com sua esposa logo mais à noite, dê um “sinal” a ela. Deixe um bilhete romântico, mande um e-mail, passe uma mensagem pelo celular, ligue e deixe um recado na secretária eletrônica. Assim, os dois estarão se preparando para o melhor;
De vez em quando, busque um lugar diferente daquele onde sempre acontece o ato sexual. Seja criativo!
Se a mulher se excita mais com o que ouve, sussurre nos ouvidos da sua amada palavras que externem seu apreço, admiração, afeto, amor, carinho…
Gaste tempo com toques, afagos, abraços e beijos antes do coito. Prolongue o tempo de excitação;
Valorize os perfumes, os cremes, o banho, o fazer a barba…
Não se concentre apenas nos órgãos genitais da esposa. Descentralize o sexo. Há uma viagem a ser feita por caminhos que levam até onde você quer chegar, porém, quanto mais demorado for, melhor para ela. Lembre-se: tudo na vida deve ser feito com criatividade! Leia o livro Cantares, de Salomão.


Fique atento a tudo aquilo que possa desconcentrar a esposa. Verifique se a porta e a janela estão bem fechadas, se não há possibilidade de as crianças ou uma visita que esteja em casa estar ouvindo os sons espontâneos do encontro e outros cuidados. As mulheres se preocupam com essas coisas muito mais do que os homens, por isso, quando o homem não atenta a esses detalhes, a mulher não fica à vontade para “fazer amor”.

Dicas para as mulheres
• Ao perceber a intenção do marido, procure corresponder, a menos que você tenha uma razão que justifique adiar o encontro sexual;
• Se o homem se excita mais pelo que vê, procure vestir-se de forma sedutora ao seu amado;
• Se o seu marido não é do tipo afetuoso, ele pode aprender com você. Não apenas lhe dê carinho, toques e afagos, mas também verbalize sobre a sua necessidade de ser tocada carinhosamente;
• Seja ousada no “fazer amor”, dê liberdade à sua imaginação, sem ferir o cônjuge e transgredir princípios;
• Valorize o perfume, o bom hálito, os cremes, a música romântica, as roupas adequadas para o momento, as frutas…
• Procure evitar pequenas manias. Não sucumba à “lei do capricho”, isso pode quebrar o clima romântico;
• De vez em quando, surpreenda seu amado, esperando-o de uma forma que ele seja estimulado sexualmente. Prepare a casa, o jantar, a sobremesa. Coloque uma música romântica, vista-se de forma sedutora, se penteie, calce uma sandália, passe o perfume que ele gosta e leve as crianças para ficar com alguém de sua confiança. Monte o cenário para uma noite inesquecível com o seu marido. Qual é o homem que não se rende diante de uma esposa assim?

Quando os instrumentos estão afinados e os músicos tocam bem, o relacionamento a cada dia vai se tornando mais doce, agradável e prazeroso. Repito, não basta fazer sexo, é bem melhor fazer amor.
A diferença entre “fazer sexo” e “fazer amor” está no que significa uma e outra coisa. Fazer amor é se entregar, é desnudar a alma, descobrir-se para o cônjuge, se deixar conhecer e conhecer o outro. A sexóloga Maria Helena Matarazzo diz que quando as pessoas se unem fisicamente sem revelar sua personalidade e sua individualidade, acordam depois do ato e se percebem dois estranhos. Segundo ela, isso acontece porque o amor não é apenas a revelação da nossa parte exterior, mas sim, mais que tudo, é a revelação do nosso mundo interior. “Se não fosse assim, qualquer relacionamento, mesmo o extra ou pré-conjugal, daria certo”, finaliza a sexóloga.

O apóstolo Paulo, instruindo os casais da igreja que estava na cidade de Corinto, escreveu sobre o porque marido e mulher devem buscar sempre um ajustamento nessa área:

“… mas, por causa da impureza, cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido.

O marido conceda à esposa o que lhe é devido, e também, semelhantemente, a esposa, ao seu marido.

A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim o marido; e também semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e sim a mulher.

Não vos priveis um ao outro, salvo talvez por mútuo consentimento, por algum tempo, para vos dedicardes a oração e, novamente, vos ajuntardes, para que Satanás não vos tente por causa da incontinência”. (1 Co 7.2-5)

Só os casais que fazem amor sabem que a recompensa é encontrar, no prazer, o prazer que se proporciona ao cônjuge. Isso porque o laço que os une é o prazer.

A arte do diálogo sexual

Um olhar, um toque e um beijo
Faz brotar o doce desejo.

Bem antes, bem longe, foi ontem
Deitaram-se, aconchegaram-se, mas não fizeram…
Cansados, exaustos, deitados, adiaram…

Raiou o sol, a noite se foi
Amando, aquecidos, bem dormidos…
Ele quer, ela deseja, os dois decidem
É hoje…

Tudo depende de como foi ontem


Deram-se respeito, aconchego, perdão
Gentileza, carinho e atenção? Sim…
Podem ir, pois, assim construíram
A tenda e o leito do amor, sem peso e sem dor.

Que clima! Tem festa, tem fogo, não tem pressa
Quando se faz amor, se esquece de medir o tempo…

O banho, o cheiro, os dois por inteiro
Vestem-se, cobrem-se, descobrem-se
Não importa onde
Em casa, na sala, no quarto ou no banheiro
Tudo está cercado, protegido e fechado
Só os dois, amando, se entregando por inteiro.

Almas nutridas
Tentadas, não cedem, porque
Sabem viver, beber e absorver
A essência do amor…
Amor que alimenta,
Amor que sustenta.

Sexo no casamento
Só faz sentido
Quando movido
Pelo amor…

Extraído do livro: “23 Atitudes Para Revolucinor o Casamento”.

Autor: Josué Gonçalves

fonte: Padom.com

Descubra como anda seu relacionamento pela posição em que vocês dormem! Isto não se trata de um estuto ciêntífico, mas não precisa ser nenhum especialista para notar a lógica da coisa!?!

Veja nesses estilos na hora de dormir o que pode estar acontecendo com vocês. Isso é uma mera ilustração. Não precisa de comprovação científica sobre o que pode estar acontecendo.


Palavra da Célula – Os três avanços do Pecado

julho 30, 2009

sentada joelhos fechadosTodo pecado é uma grande fraude. Ele promete prazer e paga com desgosto; propagandeia a liberdade, mas nos escraviza; levanta bandeira da vida, mas seu salário é a morte; tem aroma sedutor, mas no fim seu cheiro é de enxofre.

Só os loucos zombam ou brincam com o pecado. Ele é a expressão de tudo aquilo que é maligno; é pior que pobreza, solidão ou doença; é pior até que a própria morte, pois nem ela pode tragá-lo, porque uma pessoa morre e continua em tormento eterno por conseqüência do pecado.
O pecado arruína o seu corpo, faz desfalecer a sua alma e impede o seu espírito de comungar com o Pai. E para aqueles que não foram salvos, o pecado garante o sofrimento eterno no lago de fogo e enxofre sem nenhuma esperança de redenção! “Quem não crê já está condenado” (Jo 3.18).

As conseqüências dos pecados

Com o passar do tempo, em nossa carreira cristã, passamos a ignorar as desgraças do pecado.
Esquecemos que para libertar o homem do pecado, Deus teve que Se fazer homem, despir-Se de Sua glória e tomar na cruz do calvário o justo juízo que deveria cair sobre nós! O cálice eterno da ira de Deus!

Em outras palavras, é como se em um único momento, Jesus suportasse o sofrimento eterno que todos os homens,
de todas as épocas, deveriam sofrer. A cruz foi muito mais do que os espinhos e os cravos!
O pecado no fez inimigos de Deus, antes da reconciliação(Rm 5.10). Imagine a nossa situação antes de sermos
salvos: Deus era o nosso inimigo. Quem poderia nos salvar? Mas não é porque fomos reconciliados com Deus, através
de Jesus Cristo, que podemos andar de qualquer forma ou falar qualquer coisa. Muitos temem o que os homens podem fazer contra nós, mas Jesus nos mostra que devemos temer apenas Aquele que tem o poder para lançar no inferno (Lc 12.5).

O pecado de Davi

Davi foi conhecido como um homem segundo o coração de Deus, mas sentiu na pele e na alma a tragédia do pecado.
A história cristã está repleta de gigantes espirituais que sucumbiram aos convites do pecado, manchando
o seu testemunho. Através do doloroso testemunho da queda de Davi, relatado no segundo livro de Samuel, entendemos que o pecado nos conduz a três avanços:

1. Leva-nos mais longe do que queríamos ir;
2. Retém-nos por mais tempo do que gostaríamos de ficar;
3. Custa-nos mais caro do que queríamos pagar.

Vamos analisar cada um deles mais detalhadamente.

1. Mais longe do que queríamosir Quando Davi viu Bate-Seba se banhando e deixou a cobiça crescer dentro de si até cometer o adultério,jamais imaginou que o caminho pelo qual estava entrando era um caminho de morte (2Sm 12.1-9).
Talvez pensasse que seria apenas uma aventura de verão. Mas, o pecado nunca é passageiro ou superficial. Seus efeitos são profundos e mais duradouros do que se pode imaginar (2Sm 12.10-15).

O pecado de Davi lhe trouxe conseqüências desastrosas.

Ele perdeu sua autoridade espiritual sobre sua família e sua casa desmoronou diante de seus olhos. Davi colheu
os frutos amargos de sua maldita semeadura.
Muitas pessoas passam a vida inteira chorando por uma decisão errada e praticada em questão de instantes. Pagam
um alto preço por uma desobediência!

2. Mais tempo do que gostaríamos de ficar

Como Davi não calculou custo do seu interesse por Bate-Seba, ele foi dominado pela concupiscência dos olhos
e pela paixão da carne. O adultério com Bate-Seba teve desdobramentos dolorosos para Davi, sua família e toda
nação de Israel.

O pecado de Davi não atingiu apenas a ele e sua geração, mas também a todas as gerações posteriores. Durante
todos os séculos que se seguiram a esse pecado, ele tem sido relembrado e a memória de Davi manchada! Palavra da Célula

Davi, o fi el pastor de ovelhas, o inspirado compositor, o grande músico, o infl uente líder, o rei conquistador que
ergueu um exército de valentes em meio a homens amargurados de espírito e endividados, manchou sua história
pelo pecado e seus terríveis desdobramentos!

Como fruto do adultério, Bate-Seba engravidou-se de Davi.

A criança adoeceu gravemente e apesar das insistentes petições de Davi, a criança morreu. Seu pecado durou
muito mais tempo que o desejo que o dominou. O que era para ser apenas um tempo de prazer, se converteu
em queda, angústia e juízo. O pecado é como a nascente de um grande rio, no seu nascedouro as águas são rasas. Mas depois, com a soma dos muitos afluentes, esse rio se torna intransponível e inadministrável.

3. Mais caro do que gostaríamos de pagar

O pecado de Davi lhe custou muito caro. Durante muito tempo, ele viveu atrás de máscaras, escondendo o seu
pecado e atraindo sobre o justo juízo de Deus sobre si (Sl51.3). 
A mão de Deus pesava sobre ele dia e noite e abatia o seu vigor (Sl 51.8). Davi perdeu sua reputação e ainda
os ímpios blasfemaram do nome de Deus por sua loucura (2Sm 12.14)!
Além disso, ele teve que administrar outras perdas. Sua filha Tamar, foi violentada pelo próprio irmão Amnom. Absalão,
irmão de Tamar, mandou matar a Amnom para vingar o que este havia feito com ela.
Depois, Absalão se rebelou contra Davi, seu pai, para tirar-lhe a vida e tomar-lhe o reino. Nessa seqüência de
desgraças, Absalão foi assassinado por Joabe, comandante do exército de Davi. Isso, apenas para citar alguns
valores cobrados pelo diabo, como conseqüência de um pecado que, a seu tempo, não foi rejeitado.

A restauração

É tempo de arrependimento. Deus nos chama hoje para mudarmos nossa vida. Podemos por um tempo esconder
o nosso pecado, mas ele não fi cará encoberto. O tempo em que ele permanece encoberto é o tempo da misericórdia
e da graça de Deus. Este é o tempo que o Senhor nos está dando para o arrependimento brotar do nosso coração.
Há um caminho de volta, e esse caminho está des crito na primeira carta de João: Se dissermos que não temos pecado, enganamonos a nós mesmos, e não há verdade em nós.
Se confessarmos os nossos pecados, ele é fi el e justo para nos perdoar os pecados, e nos purifi car de toda a injustiça. (1Jo 1.9)

Só haverá restauração depois que houver arrependimento genuíno. O primeiro fruto do arrependimento é a confissão. 
Diante da confissão, o Senhor nos perdoa e nos purifica de toda injustiça.

Roberto Coelho
fonte: http://www.IgrejaVideira.com


Meu namoro é da vontade de Deus?

janeiro 22, 2009

 

sexo-cristaoMuitas pessoas carregam no coração uma grande dúvida com relação à vida sentimental. Ou seja, como saber se esta ou aquela pessoa é a que Deus separou para mim? Como saber se este namoro é de Deus? Venho fornecer algumas dicas a este respeito. São dicas baseadas em experiências e orientações contidas na Palavra de Deus.

 

1ª dica – Os Frutos - Como disse Jesus, uma boa árvore se conhece pelos frutos “Portanto, pelos seus frutos o conhecereis” (Mateus 7:20). Assim, veja se o rapaz ou a moça é um servo de Deus, analise o seu comportamento, a sua vida com o Senhor. Cuidado, pois existem muitos lobos vestidos de ovelhas. Certa vez eu namorei um rapaz e chegamos a ficar noivos. No começo ele me acompanhava no trabalho da igreja. Depois que ficamos noivos, disse que precisávamos dar um tempo da igreja e começou a querer me impedir de exercer meu ministério. Ou seja, começou a apresentar maus frutos.

Eu então decidi terminar o namoro embora gostasse muito dele. Melhor fazer a vontade de Deus do que fazer a vontade dos homens, não é mesmo? Assim, ao namorar alguém precisamos verificar com atenção os seus frutos. É preciso tomar cuidado quanto a isto, pois muitas vezes, por estarmos envolvidos sentimentalmente, não prestamos a atenção neste aspecto. Criamos uma certa ilusão e nos esquecemos de analisar os frutos da pessoa. Por este motivo, analise friamente os frutos da pessoa que está se envolvendo. Veja a sua vida na igreja e especialmente em casa, se é um bom filho ou boa filha, analise também o seu comportamento profissional, etc. É muito fácil ser cristão na igreja, os verdadeiros frutos são revelados no dia a dia, nos bastidores.

 

2ª Dica – A paz - A Palavra de Deus diz que a “paz” deve ser o árbitro em nossos corações “Seja paz de Cristo o árbitro em vosso coração” (Col. 3:15). O árbitro é aquele que resolve uma questão, que direciona. Ou seja, a paz deve ser o indicativo se o relacionamento é ou não da vontade de Deus. Assim, se o namoro é algo que rouba paz, que leva a pessoa a ficar distante de Deus, que traz inquietação, perturbação, cuidado pois há algo de errado. Lutas e obstáculos sempre existirão, enfim, lutas externas e até desentendimentos esporádicos causados por diferenças de opiniões. Todavia, se o relacionamento rouba a sua paz interior, especialmente a sua comunhão com Deus é um grande indício que de o Senhor não está nesse relacionamento.

 

3ª dica – É paixão ou amor? - Um outro aspecto relevante é questão da diferença entre amor e paixão. Às vezes nos envolvemos numa paixão e nos machucamos achando que é amor. Paixão é algo avassalador, que nos leva a perder a razão, a lógica e até o temor de Deus. O amor, ao contrário, já é um sentimento maduro, consciente, nasce aos poucos, se desenvolve com o tempo e vai se fortalecendo diante das dificuldades. A paixão á algo passageiro, não resiste à distância, esfria, não espera.

O amor, ao contrário, permanece “o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta” (I Cor. 13:07). O amor sabe esperar o momento certo para o sexo (o casamento). A paixão não, pois é pura emoção. Para exemplificar esta questão, cito, como exemplo, o sentimento de Amnon por Tamar (II Samuel 13) e o sentimento de Jacó por Raquel (Gênesis 29). Amnon se apaixonou por Tamar, sua irmã. Após ter tido relações sexuais com ela, a deixou friamente. Quantos jovens abandonam moças grávidas após satisfazer os seus desejos sexuais?! Jacó, por sua vez, amou a Raquel e o seu amor o fez esperar 7 anos até finalmente tê-la em seus braços. Além disso, trabalhou mais 7 anos para poder estar ao lado de sua amada definitivamente.

 

4ª dica – Enriquecimento – A Palavra de Deus afirma que a benção do Senhor enriquece e não acrescenta dores (Prov. 10:22). O namoro que é da vontade de Deus traz um enriquecimento mútuo. Ou seja, traz um enriquecimento na área espiritual, profissional, familiar, etc. Deus que ama e cuida de nós certamente colocará alguém em nosso caminho que nos abençoe, que tenha algo de bom a acrescentar em nossa vida, que nos ajude a dar continuidade aos nossos sonhos. Lamento muito quando vejo jovens se envolvendo sentimentalmente com pessoas que nada têm a acrescentar em suas vidas. Ao contrário, são pessoas que surgem para roubar a paz, o futuro e para trazer dor e destruição. O namoro, em caso como estes, se torna um verdadeiro sofrimento.

 

5ª dica – Convicção – Jesus certa vez disse que a palavra do cristão tem de ser sim, sim ou não, não e que tudo o que passar disso é de procedência do maligno (Mateus 5:37). Neste caso, o namoro aprovado por Deus é algo certo, definido e não indeciso. Quando o relacionamento é envolto por inseguranças e incertezas, algo está errado e precisa ser revisto, pois a dúvida não procede de Deus. Por isso, ao relacionar-se sentimentalmente com alguém é preciso pedir ao Senhor a confirmação sobre o namoro. Se não houver certeza, ore bastante e busque a direção de Deus e se preciso for, abra mão do relacionamento antes que alguém se machuque. Jamais se relacione com alguém sem que haja essa confirmação, essa convicção sobre os seus sentimentos. Entenda que um casamento é para toda vida. Afinal de contas, você está namorando pensando no futuro, fazendo planos para formar uma família. Se a sua visão é apenas ficar, passar o tempo, reavalie profundamente os seus conceitos, pois este não é o plano de Deus para o namoro.

Aos solteiros, aconselho a que não se atemorizem com o tempo, pois vale a pena esperar em Deus. E como descrito em Eclesiastes 3, existe um tempo determinado para todo propósito debaixo do céu. Assim, o melhor a fazer é buscar a Deus, crescer espiritualmente e profissionalmente. Enfim, adquirir maturidade em todos os aspectos para que quando chegar o tempo de construir uma família, você possa ter uma estabilidade espiritual, emocional e material.

 

Fonte: Sexo Cristão


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 26 outros seguidores